Postado por: Sidney Cohen

O Impacto do CORONAVÍRUS na Continuidade do Negócio



Sidney Cohen
Palestrante.
CEO da
Bit Partner Consultoria Empresarial.
CEO do
PME NEWS.

Qual o Impacto do Coronavirus na Continuidade do negócio?

A sua empresa já está tomando alguma providência?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou no dia 11 de março de 2020 a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Não sabemos o que está por vir. Precisamos nos prevenir. Algumas empresas sugerem algumas recomendações, como o Gartner, que mencionarei mais adiante. Porém, quando o assunto é continuidade do negócio e pandemia, me vem à mente dois fatos marcantes em épocas distintas. Respectivamente o ataque às torres gêmeas do World Trade Center em 11 de setembro de 2001 e a gripe suína (Influenza vírus A subtipo H1N1) em 2009.

A partir do onze de setembro, a gestão de riscos se destacou nas politicas de gestão das empresas. A informação tornou-se o bem mais valioso, os dados e seus backups, que estavam fisicamente no mesmo ambiente, sumiram com a tragédia e muitas empresas deixaram de existir. E a preocupação com a Continuidade do Negócio passou a fazer parte tanto dos planos de segurança física quanto digital.  Dados em nuvem, segurança digital e boa infraestrutura ganharam prioridades nas aquisições feitas pelo departamento de TI (Tecnologia da Informação) das organizações, que deixou de ser visto como o setor que mais gastava e passou a ser reconhecido como o setor que mais investia. A relação despesa/investimento causou um “choque” na definição do budget (orçamento) a partir dessa época.

A pandemia também é uma grande ameaça para a continuidade do negócio. Em 2009 algumas empresas adotaram um Plano de Continuidade do Negócio (PCN), mas a que me chamou mais a atenção, foi o PCN da Zurich Brasil Seguros, atentos em identificar e rever as funções e processos críticos e que não poderiam ser interrompidos. E um desses processos era associado ao colaborador estratégico para a continuidade do negócio e onze anos se passaram e percebo que se encaixa perfeitamente para o coronavírus. Dentre as ações, destaco:

• Identificar os empregados críticos ou especialistas que devem ser cruciais para a continuidade dos negócios.

• Proteger os empregados críticos através de isolação, trabalho remoto ou intervenção médica, tais como a vacinação, para mantê-los disponíveis.

• Rever as habilidades pessoais existentes e as alternativas, tais como o treinamento cruzado para difundir o conhecimento.

• Identificar trabalhadores temporários para suportar as atividades necessárias.

• Estabelecer e testar os trabalhos de forma remota para assegurar que determinados empregados ou funções dentro do negócio operarão eficazmente quando necessários.

Sobre o Gartner, consultoria referência em pesquisas de tendências e análise de produtos do setor de tecnologia, essa semana, a CEO da empresa, Sandy Shen, informou que o coronavírus tem potencial para impactar a continuidade das operações de um negócio em iguais proporções ou maiores que uma invasão cibernética ou um desastre natural.

Essa declaração repercutiu após a divulgação de três ações sugestivas do Gartner recomendando às organizações adotá-las, para atenuar o impacto à continuidade dos negócios diante do avanço do coronavírus, conforme descrevo a seguir.

 

Adote ferramentas de colaboração digital com controles de segurança e suporte de rede

Várias medidas de quarentena e restrições de viagens adotadas por organizações, cidades e países têm causado incertezas e interrupções à medida que as operações de negócios são suspensas ou executadas em capacidade limitada.

Para as empresas que não empregam o trabalho remoto, os Gestores de TI precisam fornecer soluções, mesmo que de forma provisória, como por exemplo: mensagens instantâneas para comunicação geral, compartilhamento de arquivos e acesso seguro aos dados corporativo do ERP e CRM.

Para suprir a falta de pessoal, os CIOS devem contar com apoio de líderes de negócios para conduzirem o planejamento da força de trabalho, que irão avaliar os riscos e solucionar as lacunas de pessoal, identificando áreas de serviço de missão crítica.

Envolva clientes e parceiros por meio de canais digitais e mantenha as atividades de vendas

Os canais digitais são importantes para o negócio das empresas, principalmente para atender o cenário atual, conforme sinaliza a CEO do Gartner, Sandy Shen:

“O valor dos canais digitais se torna óbvio à medida que a demanda do mercado diminui e à medida que as pessoas confiam mais nas plataformas on-line para suprimentos diários. As organizações podem aproveitar canais digitais, como mercados online e plataformas sociais, para compensar parte da perda de demanda".

E enfatiza:

“Eles podem configurar páginas/contas oficiais e integrar recursos de comércio para permitir a venda on-line. Eles também devem adaptar rapidamente os produtos para torná-los vendáveis através de canais digitais”.

Estabeleça uma fonte única da verdade para os funcionários

A informação correta é fundamental para tomada de decisões e transparência aos fatos.

Shen orienta sobre a comunicação corporativa adequada.

“Os líderes de comunicação corporativa e de RH podem estar envolvidos para avaliar o conteúdo e interpretar as políticas da empresa. As organizações devem criar um site, aplicativo ou linha direta para compartilhar essas informações regularmente. Os funcionários também podem usar essas plataformas para notificar a empresa sobre suas condições de saúde e procurar apoio emergencial e serviços de atendimento”.


TAGS : artigo , blog , sidney cohen , continuidade do negocio , coronavirus , onze setembro , empresa familiar