REALIZAÇÃO:Bit Partner | DIREÇÃO:Sidney Cohen

Mindset. Qual o momento certo de virar a chave?

Carla Béck - Infinita EPH

Se enfrentar as dificuldades do dia a dia já é complicado, imagina diante da pandemia e, mais ainda, se adaptar-se às mudanças rapidamente. Tudo bem que temos o apoio da tecnologia, mas o mercado estava se adaptando ao mundo 4.0 e os próprios especialistas que estão na linha de frente não imaginavam que seria da forma que está sendo. Essa mudança exigiu que as pessoas passassem a desenvolver habilidades técnicas e comportamentais e, acima de tudo, serem mais criativas. E elas precisam organizar seus pensamentos e decidirem como enfrentar as situações. Isso tudo está associado ao mindset. É como se você precisasse virar a chave da noite para o dia. Mas a questão é: qual o momento certo de virar a chave?

Essa é a dúvida de muitos e para responder essa pergunta, convidamos a Carla Béck, Psicóloga, Master Coach e CEO da Infinita EPH, que nos concedeu uma entrevista exclusiva com dicas e orientações sobre esse tema que, literalmente, não sai de nossas mentes.

Bastidores

  • Estudo realizado pela ioasys, empresa especializada em transformação digital ágil, com mais de 1300 pessoas de 13 a 81 anos de todos os estados do Brasil e classes sociais, aponta os novos hábitos de cada geração durante a pandemia. E revela que o isolamento vem contribuindo para que muitas famílias passassem a conviver de maneira mais próxima, mesmo que de forma digital. Segue a distribuição por geração:

Geração Z  (até 20 anos) –Usam a internet para: assistir a vídeos online (84,2%), séries e filmes (84,2%) e ouvir música (82,4%). É o grupo que mais têm assistido a Webinar e Videoaulas (56,1%). Mas apenas 38,5% estão seguindo as recomendações de isolamento social à risca.

Geração Y (21 a 35 anos) - São os que mais assistem às lives em redes sociais (58,2%). Apenas 29% ouvem podcasts. Metade deles jogam online, assistem a cursos digitais e procuram por notícias.

Geração X (36 a 55 anos) - Tem se dividido entre assistir a séries e filmes (73,4%), vídeos online (63,2%) e ouvir músicas (55,4%). Apenas 30% se interessam por memes e vídeos engraçados.

Baby Boomers (acima de 56 anos) – Usam a internet para: assistir a filmes e séries (51,1%), ouvir música (46,6%), assistir a vídeos (45,8%) e fazer vídeo chamadas com amigos e família (45,1%).

  • A Spring Professional, especializada em Recrutamento e Seleção de nível sênior, realizou entre os dias 20 e 30 de abril uma pesquisa com executivos da área de negócios e RH de mais de 150 empresas de diferentes setores do mercado brasileiro. Dessas, 67% pretendem retomar as contratações após a pandemia, com destaque para as startups de tecnologia, segmento industrial, setor farmacêutico, bens de consumo, bancos e serviços financeiros  e construção civil.
  • A fintech SumUp realizou, entre os dia 18 e 20 de maio, uma pesquisa nacional com 3.800 microempreendedores  e apontou o aumento das vendas online e a inclusão de novos produtos em seus portfólios. Para 27% dos negócios que estão com ponto de venda fechados, passou-se a adotar a venda online durante o isolamento. O setor de serviços esportivos foi o que mais aderiu às vendas online, impactando na metade de empresas desse perfil, seguidos pelos serviços de educação e de fotografia, com 32% cada. O levantamento sinaliza também que, por conta da pandemia, o Whatsapp passou a ser a principal ferramenta de vendas, para 67% dos entrevistados.

Novos Desafios

  • Adriano Cancian assume diretoria de Novos Negócios da inGaia.

Dados Impressionantes

  • De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2019, divulgada em maio pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br),  quase 75% dos brasileiros acima de 10 anos estão conectados à internet. Mais da metade da população da área rural, 53% e 77% da área urbana são internautas. Totalizando 134 milhões de usuários. A pesquisa registra um aumento de pessoas das classes D e E conectadas, passando de 30%, em 2015, para 57% em 2019. Desses, a maioria, 35 milhões, vive em áreas urbanas e 12 milhões em áreas rurais.
  • Um estudo realizado pela RankMyAPP, empresa de inteligência de marketing e aquisição para aplicativos móveis, aponta que o número de downloads de aplicativos para quem quer trabalhar como entregador de produtos (delivery) cresceu 200%, em média, nos meses de março e abril.

Sendo Abril, o mês de maior adesão, com aplicativos de delivery instalados em mais de 22 milhões de celulares. Segundo o levantamento, o crescimento do desemprego, que chegou a 1,2 milhões de pessoas no primeiro trimestre, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estimulou a alta demanda por esse tipo de aplicativos.

  • Levantamento realizado no primeiro trimestre do ano, pela Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF) aponta um aumento na procura por resgate de produtos nos programas de fidelidade. Os participantes trocaram 54 bilhões de pontos, sendo 30,9% para resgate de produtos e 69,1% para as passagens aéreas. Nesse período os programas de fidelidade ganharam 1,8 mil novos cadastros e somam 149 milhões de inscrições. As empresas faturaram R$ 1,8 bilhão, valor 2,7% maior do que o registrado no mesmo trimestre do ano anterior. Porém, o volume de pontos emitido recuou 1,27% no período. Os impactos iniciais da pandemia, o menor número de promoções de pontos bonificados e a alta do dólar foram os principais fatores para esse desempenho.

Entrevista

Esta coluna é destinada a entrevistas com especialistas, gestores, executivos e empresários de destaque.

Segue a entrevista de Carla Béck.

 

PME NEWS - O que é mindset e em qual momento se “vira a chave”?

Carla Béck

Mindset é um termo bem conhecido nos dias de hoje. Ele diz respeito à configuração, ao modelo mental que fornecemos ao nosso cérebro depois de um determinado tempo. O mindset define a forma como você organiza seus pensamentos e decide enfrentar as situações do cotidiano.

Compreender qual o seu modelo e as limitações que ele estabelece em relação aos seus objetivos podem te ajudar a definir o momento de virar a chave.

Virar a chave significa você decidir mudar a sua mentalidade em relação ao que você quer e avaliar se o que te trouxe até aqui será suficiente para te levar onde você deseja chegar. Se não for o suficiente, é a hora de você virar a chave!

 

PME NEWS - Quais são os tipos de mindset?

Carla Béck

Existem dois tipos de atitudes mentais: fixa e a progressiva.

Atitude mental fixa:

Uma pessoa com atitude mental fixa ignora a sua capacidade de crescer e mudar todos os dias. Ela crê que seus traços e talentos são fixos. Você os tem ou não. Crê que não há habilidades para mudar. Uma atitude mental fixa faz com que as pessoas sintam que precisam “provar” as suas habilidades para elas mesmas e para o mundo, o que faz com que frequentemente demandem reconhecimento de outros.

Como a perfeição é o grande objetivo da sua atitude mental fixa, esses indivíduos tendem a se fixar àquilo que já sabem para alcançar o sucesso.

O erro, dentro desse mindset, torna a experiência um momento de decisão que o classificará como um fracassado. Como a crença é da permanência, que os talentos e habilidades são imutáveis, cria-se uma prisão mental que produz uma série de comportamentos não saudáveis. Constrói-se uma série de impedimentos para alcançar o potencial e atingir sonhos e objetivos.

Atitude Mental Progressiva:

Neste outro modelo mental, as pessoas acreditam que com esforço podem mudar praticamente qualquer coisa sobre elas mesmas. Elas reconhecem que algumas pessoas nascem com dons ou habilidades que as permitem fazer certas coisas melhor do que outras que não possuem esses dons.

Acreditam que o erro é uma forma de aprendizado e há uma oportunidade para evoluirmos.

Uma atitude mental progressiva ajuda as pessoas a aproveitarem os desafios, fazerem progressos e desenvolverem seus potenciais de maneira muito mais abrangente.

Significa constante evolução e sempre se concentrar em como crescer e se desenvolver e melhorar seu “eu” constantemente.

Significa aceitar fatos, enquanto atitude mental fixa faz com que foquem nas coisas negativas.

 

PME NEWS - Como é o mindset nos líderes, principalmente em momentos de pressão?

Carla Béck

O mindset é determinado pelas experiências que cada um vive. Então, o mindset dos líderes depende da experiência que cada um viveu.

Normalmente, ouvimos falar de casos em que o líder se comportou com modelo fixo, o que impacta diretamente nos resultados da sua equipe. Só ele está certo, ninguém mais tem a resposta. São líderes centralizadores, reativos e, principalmente, não compreendem o outro e não têm empatia.

Os líderes que melhor se sobressaem em momentos de pressão são os líderes de empresas que têm empatia, que se preocupam em conhecer sobre a rotina do colaborador e de que forma a empresa estará inserida neste novo cotidiano com filhos e espaços compartilhados. Apesar do momento e pressão, os líderes precisam manter a calma e demonstrarem segurança para seus liderados e se comunicar com eles, engajando-os. Pensar juntos ajuda a encontrar solução juntos.

 

PME NEWS - A Transformação Digital já sinalizava a adaptação das pessoas à nova ERA. A pandemia acelerou esse processo. Como programar a nossa mente nesse cenário?

 Carla Béck

Nosso cérebro trabalha com previsibilidade e, para nos inserir neste novo contexto, precisamos treinar nosso cérebro e desenvolver novas habilidades. Transformação Digital está relacionada com um mindset digital. Não se trata apenas de incluir uma pessoa no ambiente digital. É preciso engajá-la. O trabalho em casa, o chamado Home Office, é apenas uma digitalização do trabalho, algo parecido com que fizeram os jornais e revistas ao começarem a digitalizar seu conteúdo. Está associada ao  mindset digital, à agilidade, inovação e entender mais sobre com quem você se relaciona. Vai além de apenas ferramentas digitais. O novo coronavírus acelerou este processo e as pessoas foram forçadas a desenvolver habilidades técnicas e comportamentais. Passaram a ser mais flexíveis, entender o contexto e serem criativas.

 

PME NEWS - A inovação é importante em um mercado disruptivo. O que as empresas devem fazer para estimular a cultura de inovação?

Carla Béck

A inovação deve ser transversal nas empresas e não apenas direcionada em um único departamento. Todos devem estar engajados e sempre antenados com as novas demandas e também pautarem novas demandas e comportamentos, facilitando a vida das pessoas. As empresas disruptivas têm como premissa criar soluções fáceis, criativas e, em muitos casos, democráticas.

As empresas podem estimular a cultura da inovação através de ações como: estarem atentas às tendências, conectar-se a seu tempo, promover mudanças de comportamentos, aplicar estratégias inspiradas nos futuros clientes, identificar e pensar nos futuros clientes, foco no todo e não nas partes.

 

PME NEWS - Que mensagem você dá aos executivos das pequenas e médias empresas diante do momento de incertezas?

Carla Béck

O executivo precisa compreender que as atitudes mentais que adotamos são o centro do que fazemos, pensamos e sentimos todos os dias. Um novo momento requer uma nova mentalidade.

Desenvolva a Agilidade Emocional, que é aceitar a mudança e abrir-se ao novo é o início para estabelecer um novo mindset para lidar com o cenário inédito.

É você que precisa se esforçar constantemente para mudar sua atitude mental. Você possui a habilidade de mudar, desde que você faça acontecer.

Compreender a diferença entre esses dois modelos, fixo e progressivo, é o primeiro passo para o autoaperfeiçoamento. Mudar requer tempo e muito esforço, mas leva você até os seus objetivos. 

Você poderá se surpreender ao descobrir quantas oportunidades estarão disponíveis. Poderá ser assustador no início, mas quanto mais você se permite, mais você continuará sua evolução e poderá influenciar as pessoas a sua volta.

Sempre é possível mudar toda a sua perspectiva e abordagem na vida para facilitar o sucesso e o seu desenvolvimento. Você precisará estar disposto a trabalhar duro e manter o mindset correto. Tudo depende de você.

Pense Nisso

“É você que precisa se esforçar constantemente

para mudar sua atitude mental.

Você possui a habilidade de mudar,

desde que você faça acontecer”.

Carla Béck

Seja bem-vindo. Cadastre-se ou faça o login para ter acesso a todas edições.

Assinante, faça seu login abaixo: