REALIZAÇÃO:Bit Partner | DIREÇÃO:Sidney Cohen

Inovação, um processo contínuo

Ricardo Yogui - Professor PUC-Rio, IBMEC, IED-Rio

Docente da Engenharia Industrial da PUC-Rio e Professor convidado de pós-graduação e educação executiva do Ibmec Business School, IAG/PUC-Rio e do IED-Rio, Ricardo Yogui, além de outras qualificações, é referência em inovação.

Nesta edição dedicada ao tema, ele nos concedeu uma entrevista exclusiva na qual enfatiza que a inovação é um processo contínuo e aponta a importância que ela tem no desenvolvimento das pequenas e médias empresas e como as universidades podem contribuir nesse cenário. E se você acha que as empresas inovadoras são imunes ao fracasso, leia a entrevista e entenda por que até elas podem quebrar.

Bastidores

  • As redes de varejo inovam, ampliam o radar e investem em multinegócio em busca de novos clientes. A Magazine Luiza começou a vender em outubro produtos de supermercados, o cliente pode comprar pelo e-commerce ou nas lojas físicas. O Habib´s abriu o seu primeiro posto de combustível, apostando na política de preços baixos praticados no fast-food, que também vem sendo aplicado no primeiro posto da rede. O grupo possui 540 unidades e por elas passam por ano 200 milhões de consumidores e 19 milhões de carros.
  • A Realidade Aumentada e Virtual, Inteligência Artificial, Drones, Criptomoedas, Internet das Coisas, Cleantechs e SmartCities, Big Data e Analytics são tecnologias consideradas emergentes e apenas 193 das 7.500 startups brasileiras atuam com elas, segundo estudo realizado pela Liga Insights Emerging Technologies. A maior parte dessas startups (50%) foi fundada nos últimos três anos. Somente dez estados concentram essas 193 startups. São Paulo e Minas Gerais lideram com 48% e 14%, respectivamente. O estudo aponta que a inovação com o uso dessas tecnologias revolucionará o modelo de negócios e beneficiará a sociedade em menos de dez anos.
  • Pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva aponta que 36% das pessoas com mais de 50 anos trabalham. Desses, 36% trabalham por conta própria, 32% são empregados do setor privado, 15% são funcionários públicos, 9% são domésticos e 8% empregadores.
  • Montadoras estrangeiras vão investir R$ 15 bilhões no país até 2022. A expectativa é de recuperação no setor, que teve queda no período de 2013 a 2016 de 42% na produção de automóveis, comerciais leves e caminhões, resultando no encerramento de 35 mil postos de trabalho. Nesse período registrou queda de produção de 3,7 milhões de unidades em 2013 para 2,2 milhões em 2016, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Novos Desafios

  • Carlos André Dias ingressa na SICCS como Coordenador de Projetos.
  • Camyla Bombi é a nova Gerente de Vendas da PROCFIT Gestão Orientada a Processos.

Dados Impressionantes

  • Segundo o Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado do Rio Grande do Sul (Sindilat/RS), as fazendas produtoras de leite faturaram R$ 27 bilhões em 2016. Quase a metade do leite produzido no país vem das pequenas fazendas, responsáveis por 47% da produção. A cadeia produtiva do leite é a que mais emprega no Brasil. São mais de 4 milhões de pessoas empregadas em funções no campo e nas fábricas de laticínios.
  • Segundo o levantamento realizado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o número de redes de microfranquias no país cresceu 45% em três anos, passando de 384, em 2013, para 557, em 2016. Em 2017 movimentou R$ 74,4 bilhões no primeiro semestre, um aumento de 8% comparado ao ano passado, que foi de R$ 68,8 bilhões.  Segundo a ABF, o investimento inicial chega a ser três vezes menor do que uma unidade convencional,  em média, são exigidos R$ 44 mil para abrir uma microfranquia (incluindo taxa de franquia, capital de giro e custos de instalação) e a estimativa de retorno do investimento inicial é de 12 meses. Os segmentos mais procurados são alimentação, beleza, saúde e serviços.
  • Estudo realizado pela empresa Neoway, especializada em Big Data, aponta que 18% dos CNPJs ativos na Receita Federal possuem nível de atividade baixo ou muito baixo. São cerca de 3,7 milhões de empresas fantasmas. Como a dificuldade para se fechar uma empresa no Brasil é alta, muitas empresas que já encerraram suas atividades mantém seus CNPJs ativos na Receita Federal.

Agenda

  • 15 a 18 de Novembro – João Pessoa – PB
    IV CONEDU - Congresso Nacional de Educação
    Local: Centro de Convenções de João Pessoa
  • 26 a 29 de Novembro – Rio de Janeiro - RJ
    38º. CONBRAI – Congresso Brasileiro de Auditoria Interna
    Local: Riocentro

Entrevista

Esta coluna é destinada a entrevistas com especialistas, gestores, executivos e empresários de destaque.

Segue abaixo a entrevista de Ricardo Yogui.

 

PME NEWS - As pessoas já nascem criativas?

Ricardo Yogui

Sim, todos nós nascemos criativos, mas o que acontece ao longo de nossa vida é que essa criatividade é meio tolhida para sermos mais lógicos, racionais e vamos nos enquadrando dentro de um padrão comum. A nossa criatividade, às vezes, fica adormecida e o que precisamos é libertá-la, já que em o mundo está cada vez mais volátil, incerto, complexo e ambíguo, que gerou o acrônimo VUCA em inglês -  Volatility, Uncertainty, Complexity, and Ambiguity. A criatividade ganha maior importância neste contexto e deve ser aliada à racionalidade, sendo complementares e não excludentes.

 

PME NEWS - Como as universidades podem contribuir para a inovação nas micro e pequena empresas?

Ricardo Yogui

Não somente nas universidades, mas também no Ensino Médio, com isso devemos fomentar a inovação e o empreendedorismo no Brasil. O país, em rankings recentes de inovação, ocupa a posição 69, incompatível com um país que é uma das 10 maiores economias do mundo.

Nesse sentido, os programas de empreendedorismo, como domínio adicional, poderiam ser transversais a qualquer curso nas universidades. Mas além de pensar como um simples domínio adicional, as universidades devem fomentar a possibilidade de criação de novas startups. Além disso, programas de inovação aberta entre universidades e pequenas empresas podem ser um caminho para uma maior intensidade nas relações entre elas e gerar novas inovações quer seja por projetos de P&DI (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) ou outras frentes de inovação corporativa.

Do lado da universidade, essa relação ajudaria a preparar melhor seus alunos para os novos desafios do mercado de trabalho.

 

PME NEWS - Qual é a importância da inovação no desenvolvimento de micro e pequenas empresas?

Ricardo Yogui

A inovação, independentemente do porte das empresas, é essencial em um mercado cada vez mais disruptivo. A falácia que com mais recursos financeiros as empresas podem ser mais inovadoras cai por terra ao vermos startups, sem recursos com as grandes empresas, sendo a referência em várias frentes. Tomamos o exemplo dos veículos elétricos em que a grande referência é a Tesla e não uma das gigantes da indústria automobilística. 

 

PME NEWS - Como é possível transformar uma ideia em modelo de negócios?

Ricardo Yogui

Um grande problema no Brasil não é a geração de ideias, mas sim a sua materialização em uma solução que chega de fato ao mercado. Somos bons em iniciativas, mas temos grandes desafios para a “acabativa”.  Neste sentido, devemos gerar maior cultura de inovação nas organizações, afinal, a grande diferença entre invenção e inovação é exatamente a “acabativa”, ou seja, para inovar o produto final deve chegar ao mercado e ser reconhecido pelo mercado.

As PME´s já estão se capacitando para interagir com o ecossistema de inovação e usar as boas práticas como Lean Startup para diminuírem esse gap entre a ideia e a inovação de fato.

 

PME NEWS - O processo de inovação deve ser visto como um projeto pontual ou deve ter uma ação contínua?

Ricardo Yogui

A inovação deve ser um programa contínuo nas organizações, uma vez que a história está repleta de organizações que inovaram uma vez, pontualmente, e não conseguiram manter-se na liderança de mercado. Exemplos como Kodak, Olivetti, Blackberry, Nokia entre outras mostram que a Inovação deve ser um processo contínuo.

As organizações devem desenvolver um plano estratégico de inovação e uma das ferramentas para apoiar neste sentido é o Framework de Inovação que é um canvas para o desenvolvimento da gestão estratégica de inovação nas organizações.

 

PME NEWS - Por que empresas inovadoras também quebram?

Ricardo Yogui

Como comentamos anteriormente, as empresas devem pensar a inovação como um processo contínuo. Em um mundo disruptivo, rapidamente as atuais inovações podem tornar-se obsoletas em curto período de tempo. Se as organizações pensam na inovação como um instrumento tático, terão pouca chance de sobreviver. A inovação precisa ser tratada de forma estratégica e com visão de médio e longo prazo.

Pense Nisso

“Não somente nas universidades, mas também no Ensino Médio, devemos fomentar a inovação e o empreendedorismo no Brasil.”

Ricardo Yogui

Seja bem-vindo. Cadastre-se ou faça o login para ter acesso a todas edições.

Assinante, faça seu login abaixo: