Postado por: Sidney Cohen

Inovação Disruptiva

Mudança de Conceito, Negócio e Mercado.


Sidney Cohen
Palestrante.
CEO da
Bit Partner Consultoria Empresarial.
CEO do
PME NEWS.

Para ilustrar o impacto da Inovação Disruptiva, não apenas no mercado, mas no nosso cotidiano, descrevo o “dialogo” de um amigo e sua filha, que viajou recentemente e ele preocupado, solicitou para que ela ligasse assim que chegasse ao destino. Ao invés de ligar, ela preferiu enviar a mensagem pelo Whatsapp.

Filha: Pai, já cheguei e estou no Uber a caminho da casa.

Pai: Uber??

Filha: Sim

Pai: Que casa? Você não ia para o hotel?

Filha: Não, eu reservei uma casa pelo Airbnb.

Pai: Mas, como você fez a reserva?

Filha: Pelo Nubank

Pai: Nubank?

Filha: É pai, o cartão roxo...

Pai: Ah, ok. Mas, porque você não foi para o Hotel? Lá tem TV a cabo.

Filha: Relaxa pai. Na casa tem Netflix.

As Inovações Disruptivas, romperam a liderança das “inovações” que as antecederam, e como você pode perceber, já está rompendo os conceitos de pais, como o caso do meu amigo.

O Gartner Symposium/ITxpo realizado em agosto de 2018 apontou que as 10 principais tendências tecnológicas para esse ano seriam soluções baseadas em Inovação Disruptivas, com destaque para o Blockchain, Realidade Aumentada e Computação Quântica.

Segue algumas áreas que tiveram impacto com as Inovação disruptivas nos últimos anos:

FINANCEIRA:

Fintech

NUBANK

As Fintechs são startups da área financeira com custos operacionais baixos. Mesmo que dificilmente venham substituir os grande bancos em curto e prazo e por isso não podemos garantir que seja 100% disruptiva, mas o fato é que esse modelo de negócio está incomodando as grandes corporações financeiras.  O Nubank é referência de fintech brasileira, com mais de 12 milhões de clientes e com o valor de mercado acima de US$ 10 bilhões. Por ter nascido digital, não possui agência física e apresenta custos mais baixos com a burocracia e quem ganha com isso são os clientes.

Criptomoedas

BITCOIN

As criptomoedas são moedas digitais criptografadas que usam um sistema de controle descentralizado, e por isso não conta com uma administradora central. Possui como base a tecnologia Blockchain (protocolo de confiança), com a função de criar um índice global para todas as transações que ocorrem no mercado. O Bitcoin é a criptomoeda mais usada, as transações oscilam bastante, assim como o Dólar, Euro, ações e títulos do Tesouro Direto, ouro e a prata. Após um ano de seu lançamento, em meados de 2010, um Bitcoin valia alguns centavos de dólares, em setembro de 2017 atingiu a marca de US$ 5 mil. Esse ano, a moeda já ultrapassou a cotação de US$ 10 mil.

EDUCAÇÃO:

Edtech

A educação é o segmento que lidera em quantidade o cenário das startups, conforme dados da Associação Brasileira de Startups (Abstartups). Chamadas de Edtechs, elas representam 7,8% do total, com 364 startups, presentes em 25 dos 26 estados do país. A China possui mais de 3 mil startups de educação e lidera o mercado global, que deve crescer 17% e faturar US$ 252 bilhões em 2020, segundo  levantamento realizado pelo banco inglês Ibis Capital.

TECNOLOGIA:

Computação Quântica

O computador quântico tem desempenho muito acima do computador tradicional. Segundo o Gartner, 20% das companhias incluirão projetos de computação quântica no orçamento em 2023, atualmente apenas 1% das empresas destinam para esse fim. É possível ver os benefícios do uso desse tipo de computação na área da saúde. Estudos realizados por uma empresa americana especializada em bioquímica comprovou que a computação quântica auxilia na descoberta de medicamentos para doenças como: esclerose múltipla, Alzheimer e Parkinson.

Realidade Aumentada

Apesar de não ser possível tocar, a Realidade Aumentada ajuda na tomada de decisão. Nas lojas de varejo de moda, essa solução vem sendo aplicada e possibilita o cliente ver as peças sobre o seu corpo.

Realidade Virtual

A Realidade Virtual cria um ambiente totalmente gerado pelo computador. O usuário pode interagir nele. Sua aplicação pode ser vista em várias áreas, do entretenimento a saúde. Um exemplo interessante é o da indústria automobilistica. Os consumidores podem fazer um “test drive” em um veículo, sem sair de casa, com o uso de um aplicativo que simula a imagens do interior do veículo e com filmagens do trecho de uma estrada.

TRANSPORTE:                   

Aplicativos

UBER

O Uber é o aplicativo de transporte líder que permite a busca por motoristas baseada na localização. Revolucionou o mercado de transporte privado de passageiros. Com a falta de oportunidades no mercado de trabalho devido a crise, ele passou a ser a solução para muitos profissionais desempregados e mesmo para os empregados, que passaram a trabalhar como motorista para reforçar os ganhos de casa. Ampliando o seu radar de negócios, o Uber já atua no mercado de carros semiautônomos e do transporte aéreo urbano.

WAZE

Aplicativo baseado em navegação por satélite, o Waze informa as condições do trânsito em tempo real. É uma versão mais avançada do GPS, além de orientar o usuário indicando o melhor trajeto, inclusive por voz, ajuda com informações importantes, como por exemplo, estações do metrô, postos de gasolina e estacionamentos próximos.

TURISMO:

Hospedagem

AIRBNB

O Aibnb é a maior Inovação Disruptiva do segmento de hospedagens. Tem a maior oferta de quartos do mundo, sem possuir nenhum hotel.  Os proprietários anunciam os imóveis, ou simplesmente, quartos para alugar por temporada. Assim como o Uber, cresceu na crise. Em 2018, a empresa registrou 3,7 milhões de hospedagens no Brasil.

ENTRETENIMENTO:

Streaming

NETFLIX

Na mesma linha do Uber e Airbnb, o Netflix é referência em Inovação Disruptiva. Provedora global de filmes e séries de TV e outros programas. Está avaliada em US$ 134 Bilhões. Esse tipo de tecnologia desperta muito interesse e a concorrência aumenta, a Amazon, HBO e Disney são algumas delas.


TAGS : inovação disruptiva , tecnologia , inovação , artigo , blog , sidney cohen