Postado por: Daniel Levy

Enfim, o 5G está chegando...



Daniel Levy
CEO da
DML Informática
Representante Radware e Rad

 

Imagine a seguinte situação:

Bateu aquela vontade de tomar um delicioso sorvete e ao abrir o freezer, você percebe que aquele pote “sumiu” da noite para o dia?!

Acredite, isso não será mais problema. Com a tecnologia 5G, através da “internet das coisas”(IoT), seu freezer poderá ser programado para avisar quando um produto estiver acabando e também será possível programar a compra do produto em falta.

O 5G é a revolução da atual rede de celulares de quarta geração. Mais potente e veloz causa menos impacto ao meio ambiente, além de ser “inteligente”. É um grande salto em relação à rede atual, a 4G. A rede 5G comportará o crescente volume de dados trocados diariamente por bilhões de dispositivos sem fios espalhados mundialmente.

As redes da 4ª geração, utilizadas atualmente em algumas regiões do Brasil, são capazes de entregar uma velocidade média de conexão de, aproximadamente, 33 Mbps. Estima-se que o 5G proporcionará velocidades maiores, podendo alcançar até 10 Gbps.

Em 2014, foram estabelecidos alguns critérios pelo GSMA, uma organização internacional formada por mais de 1200 operadoras de rádio, internet e telefonia móvel, para guiar o processo de implantação das redes 5G. Entre esses critérios, podemos destacar:

- As redes 5G devem consumir até 90% menos energia que as redes 4G atuais;

- As conexões entre aparelhos móveis devem ser inferiores a 5 ms (milissegundos), face à latência de 30 ms das redes 4G;

- O número de aparelhos conectados por área devem ser  50 a 100 vezes maior que o atual;

- Devem ser realizados aumentos drásticos na duração da bateria de dispositivos rádio receptores.

Após a instalação da infraestrutura das redes 5G, a redução do consumo de energia poderá diminuir os custos futuros, além de torná-la mais ecológica. O tempo de latência reduzido, por sua vez, possibilitará a comunicação entre veículos autônomos, permitirá o desenvolvimento de sistemas de segurança que evitem acidentes automobilísticos, além de possibilitar a realização de cirurgias remotas por meio de robôs.

O aumento do número de aparelhos conectados por área possibilitará uma enorme ampliação da tendência mundial da “internet das coisas”. Sistemas de iluminação pública e residencial, smartphones, smartwatches, eletrodomésticos, dispositivos de monitoramento, sensores de presença, frequencímetros cardíacos, centrais de segurança, guichês de supermercados ou estacionamentos, caixas de supermercados, sensores meteorológicos e muitos outros dispositivos poderão conectar-se mutuamente por meio do uso da quinta geração das redes móveis.

Com isso, haverá inúmeras possibilidades, cada vez mais inteligentes e conectadas, para residências, ruas, hospitais, comércios e indústrias.

O pequeno tempo de latência possibilitado pelas redes 5G permitirá que o sistema de freios de um veículo comunique-se rapidamente aos smartphones ou smartwatchs dos pedestres, evitando acidentes quando, por exemplo, houver grandes aproximações entre eles.

As tecnologias Wearable usarão a rede 5G para comunicarem-se quase instantaneamente.

O 5G está intimamente conectado à IoT massiva, veículo a veículo e veículo a infraestrutura (V2X), realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR).

Em resumo, as redes 5G prometem aos seus futuros usuários uma cobertura mais ampla e eficiente, maiores transferências de dados, além de um número significativamente maior de conexões simultâneas.

Como o 5G ainda não chegou à sua casa, fique de olho no seu freezer.


TAGS : artigo , blog , pme news , Daniel Levy , 5G , IoT , tecnologia , negócios , startup